Páginas

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

O hoje de outrora

Cante uma canção ao horizonte
D'onde não conheces a imensidão
Feche os olhos; não é em vão,
Pois abre-se a nova fonte.

Abra-se para o que já viveu,
Sinta a força da vida
Que fechara sua maior ferida. 
Da vida que que você esqueceu.

Ande nos caminhos de outrora,
Viva o antes vivido
Pois, mesmo re-esculpido

Tu não não estas esquecido
Do destino escolhido
Do passado de agora...

17:25
17:37
26/08/2010

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

O Retrato

Corredores escuros que dão medo
Ao mais letárgico ser.
Sons funestos sussurrado
Como se fosse para correr.

Há um quadro no final,
Mas ninguém te coragem de olhar.
A coruja pia, e é um sinal
E ninguém mais vai sonhar...

É um retrat na parede
Ele da medo, ele traz frio.
Há uma moldura bela e antiga,
Parece uma obra perdida,
De um novo mundo que se abriu
De um medo que se perde...

Há um retrato na parede
E quem ousa olhar?
Ninguém voltou e disse sim.
Ninguém olhou e viu-se retornar...

Há um retrato na parece
Um foto pra se amar.
Há um mistério em torno deste.
Algo que vai te matar...
Há algo frio, há algo mal...
Existe um mistério na foto
Será um retrato do mal?

01:53
02:00
24/08/2010

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Fogo

Somos céu, somos inferno,
Temos o bom e o mal
Temos no sangue o próprio érebo
Somos espírito e carnal...

Somos o pecado original
A dança quente da insanidade,
Nossa parte mais animal
A perfeição na intensidade...

Vivemos o dia do céu,
Mas a noite é infernal
Quando ultrapassamos o véu
Do ser humano sensual...

Ah...somos de carne também
Vivemos da contradição
Escravos de nossa condição
De não ir além

Além do que os grandes disseram
Que não se poderia fazer
Mas hoje, gostamos de sofrer
E os grandes nos deixaram...

Somos filhos de nós mesmos
Largados, mas não à esmo
Somos netos do desejo...

02:38
 02:45
21/08/2010

Se...

Se os anjos tem teu cheiro
Eu abandono esta vida
Para sentir-te no paraíso...
Se teu olhar
Delira-me ao pecado,
É ao inferno que vou em busca dele...
Se tua voz soa como o vento
Eu deixo-me,
Seja vivo, seja morto,
Mas largo-me ao relento...
Se tu és real,
Eu irei atrás de ti,
Mas, se fores um sonho,
Não quero acordar
Mas se tudo der errado,
Ah...se tudo der errado...
Levanto a cabeça e olho o horizonte,
E solitário volto à caminhar...

02:26
02:30
21/08/2010

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Disciplina é liberdade? PARTE 2

Vários teóricos de várias épocas discorreram sobre a liberdade. Vou apresentar algumas interpretações de autores sobre a liberdade para fundamentar este ensaio.
Se partirmos de Nietzsche, veremos que segundo ele a liberdade que temos é moldada pelo paradigma religioso que nos é imposto por meio da educação. Os valores morais são uma forma de coerção social que nos moldam para os ideais desta de forma a vetar nossa liberdade.
O poder espiritual das religiões veta nossa liberdade com o intuito de aumentar seu poder temporal criando a ilusão da liberdade de forma que aceitemos sem mesmo perceber, somos adestrados desde cedo a aceitar sem contestar.
Foucault é claro quando diz que temos uma liberdade assistida. Tudo que fazemos é vigiado, tudo que fazemos é punido pela sociedade e pelos órgãos representantes destas. Somos cercados por todo tipo de aparelho que nos vigia, somos átomos entre outros átomos, onde cada um destes esta vigiando todos e todos vigiam um individualmente ou por meio das instituições. O estado tem esse poder e esse papel, e a nossa legislação tem o intuito.
De certa forma, Althusser trata deste tema de forma semelhante à Foucault quando fala dos aparelhos ideológicos e dos aparelhos repressores, de forma que no intuito de aplicar a ideologia, a repressão é uma boa arma, e esta veta nossa liberdade diretamente ou por meio ideológico.
Em fim, mas não menos importante Sartre diz que a liberdade parte realmente de nós mesmos. Somos livres para fazer toda e qualquer ação que esteja ao nosso alcance, porém, cada ação tem em contrapartida uma conseqüência.
De certo modo Sartre nos mostra que autodisciplina é o caminho para a liberdade, pois onde cada ação tem sua reação, a autodisciplina vem fazer com que controlemos essa ação e dessa forma também a reação. Assim, a emancipação antes dita faz com que tenhamos esse controle e dessa forma alcancemos a liberdade.

domingo, 15 de agosto de 2010

Disciplina é liberdade?

É sabido que somos regidos por um sistema político, social, econômico e principalmente moral que é caracterizado concomitantemente por vir antes da nossa existência e por ser um circulo vicioso.
Assim se tratando da gama de escolhas e opções que esse sistema nos põe, estas escolhas pré-moldadas e pré-estabelecidas nos mantêm escravos deste e tira grande parte de nossa liberdade, nos forçando a uma liberdade assistida. Mas, mesmo em meio à esse sistema, conseguimos certa resistência tentando alcançar a liberdade, pois a partir de um viés ontológico vemos que a liberdade faz parte da essência humana.
Somos disciplinados para acreditar que temos liberdade, e disciplinados para crer que a liberdade que almejamos é a libertinagem. Então, tal resistência não vem necessariamente pela disciplina, mas, pela autodisciplina crítica e racional, a qual vai fazer com que, mesmo em meio ao circulo vicioso do sistema, encontremos tal resistência que vai trazer a liberdade, de forma que quando fazemos nossa escolha crítica - principalmente (penso eu) quando escolhemos não escolher uma das proposições passadas - fazemos com que a gama de proposições tenda a aumentar diante do pouco uso das mesmas.
A disciplina no sentido aureliano da palavra vem mostrar que esta, parte de alguém (seja pessoa física, jurídica ou sistema moral), para outrem de forma verticalizada, eis alguns significados da palavra disciplina tirados do dicionário Aurélio para referendar meu pensamento:

1. Regime de ordem imposta ou livremente consentida.
2. Ordem que convém ao funcionamento regular duma organização (militar, escolar, etc.).
3. Relações de subordinação do aluno ao mestre ou ao instrutor.
4. Observância de preceitos ou normas.
5. Submissão a um regulamento.
6. Qualquer ramo do conhecimento (artístico, científico, histórico, etc.).
7. Ensino, instrução, educação.
8. Conjunto de conhecimentos em cada cadeira dum estabelecimento de ensino; matéria de ensino.

A autodisciplina parte de si para si mesmo numa reflexão crítica que não deixa de levar em conta as opiniões da disciplina por partir do ser para ele mesmo.
Dessa forma o ato da autodisciplina vem junto com a emancipação e a reflexão, pois através destas e do amadurecimento crítico, pode se alcançar um nível coerente de autodisciplina que o levara a verdadeira liberdade, e não a liberdade assistida ou enganatória que nós é imposta quase sempre sem que nos demos conta.
Espero que ninguém passe pelo o que eu estou passando, espero que ninguém sinta o que eu estou sentido...
Um dos piores sentimentos à meu ver é a pena; Mas agora sinto-a, pois ela é real, e o ódio não vale a pena...